quarta-feira, 24 de julho de 2013

pequeno tratado das grandes virtudes-resumo academico-andre comte-sponville



André Comte-Sponville, Filósofo materialista, racionalista e humanista, nasceu los Paris los 1952. O ex-Aluno da École Normale Supérieure da rue d'Ulm, professor de Filosofia, Doutor Pós-Graduação, elemento E Doutor Honoris Causa da Universidade de Mons-Hainaut, na Bélgica. Foi professor em Paris (Panthéon-Sorbonne),onde começou a lecionar (a Partir de 1997) e demitiu-se (2003) para se dedicar mais à Escrita e Conferências . Publicou muitos Livros (ver bibliografia), Traduzido Em 24 linguas. É Membro do Comitê Consultivo Nacional de Ética francês.
A obra “pequeno tratado  das grandes virtudes” é dividida em dezoito `temas` que versam sobre virtudes as mais variadas, quando o Autor fixa suas ideias acerca dos temas abordados em sequencia.
BIBLIOGRAFIA-
Pequeno Tratado
das Grandes Virtudes
André Comte-Sponville
Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999
Tradução Eduardo Brandão

RESUMO de FLAVIO FAGUNDES FERREIRA*


1. Polidez.
Polidez ainda não é moral. Nem sequer é uma virtude. É algo no entanto, em que a virtude se inicia, e da maneira que temos de praticá-la
"Imitando virtude", escreve André Comte-Sponville,
"tornamo-nos virtuosos. (...) A polidez antecede a moral e a torna possível. (...) Nós devemos primeiro adquirir a “aparência e maneira de bom ", não porque eles são suficientes em si, mas porque eles podem nos ajudar a atingir a única coisa que eles imitam - a virtude -., e que é adquirido apenas por essa imitação"
-Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p. 14.
Ela não é de forma suficiente para ser educado, mas é um começo. "Disciplina Polite" guia os primeiros passos de uma criança em moralidade, em diferenciar entre o certo e o errado. Aprendemos a ser bons para os outros antes de saber por que isso é necessário: nós fingimos até termos que fazê-lo.

2. FIDELIDADE
Fidelidade é amar a memória. É o oposto de inconstância, mas também de teimosia. Para praticar a fidelidade, o fiel deve aprender a discriminar entre as coisas para as quais valem a pena ser leal (valores, virtudes, de verdade, relacionamentos - passado ou presente), e os que não são (crueldade, ressentimento, falsidades). É a virtude que permite que todos os outros:
Que seria a Justiça sem a fidelidade dos justos? A paz, sem a fidelidade dos pacíficos? A liberdade, sem afidelidade dos espíritos livres? E que valeria a própria verdade sem a fidelidade dos verídicos?
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), , p. 11.
O que é a fidelidade em um casal? Na amizade, no pensamento, a fidelidade não se traduz em ter apenas um amigo, ou apenas um pensamento (p. 19). Quando invocado em nome de inveja, fidelidade não é mais fidelidade, é exclusividade, que pode ser a resposta para alguns, não todos, ou para um período de tempo, não necessariamente sempre. Mas a fidelidade pode durar, mesmo após o término do relacionamento:
"E uma vez que o amor morre, qual é o ponto em se manter a ficção e as responsabilidades existentes? Mas também não há razão para repudiar ou negar o que já foi. Devemos trair o passado, a fim de adorar o presente? Eu te juro, não que eu vou te amar para sempre, mas que permanecerá para sempre fiel ao amor que sabemos agora ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), , p. 18-19.
3. PRUDÊNCIA
Prudência atua como uma condição para outras virtudes. É o pensamento, a inteligência por trás da prática de todos os outros. Max Weber chamou de "ética da responsabilidade", o que tem de prevalecer sobre a "ética da convicção" (p. 21).
A prudência é o bom senso que nos diz: "mentir para a Gestapo" em vez de "transformar em um judeu ou um combatente da resistência" (p.21). Ela nos ensina a lidar com outras virtudes, não em termos absolutos, mas em uma base caso-a-caso. Ela nos permite encontrar o caminho "melhor", mostra-nos não ser demasiado literais quando agimos em nossas boas intenções, para não abrir com eles o caminho para o inferno:
"A prudência tem algo de modesto ou instrumental a ela: ela é convocada para servir a fins que não sejam a sua própria e está em causa, por seu lado, com a escolha dos meios. Mas isso é o que a torna insubstituível: nenhuma ação, nenhuma virtude - há virtude em ação, de qualquer forma - pode ser feita sem ela. (...) A Justiça simplesmente amor não nos faz justos, nem amar a paz nos torna pacíficos, por si só: deliberação, decisão e ação também são necessários. Prudência determina quais deles são aptos, como a coragem prevê serem realizadas. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), , p. 24.
O grego chamou Phronesis - uma espécie de sabedoria prática - e diferenciava de Sophia - sabedoria. Porque ser virtuoso sem prudência não é suficiente, assim como:
"Para ser um bom pai, não é o suficiente amar as crianças de um, nem é suficiente para desejar-lhes bem para esse desejo se tornar realidade. O amor não é desculpa para a falta de inteligência ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), , p. 33.
Em suma, a prudência é o cérebro por trás do bem. Em si, ela não tem qualquer mérito, mas sem ela, nenhuma das virtudes pode pretender ser virtude.




4. Temperança.
Temperança não é "tristeza", "impotência", nem "ascetismo." Temperança "não é sobre desfrutar menos, mas desfrutando de melhor" (p. 31). É a liberdade da imperiosidade de nossos próprios desejos, é a capacidade de ser seu próprio mestre. Como pode a felicidade estar ao nosso alcance, se estamos constantemente insatisfeitos? Se permanecermos prisioneiros de "mais, mais, mais?"
"A temperança é um meio de independência e autonomia, é um meio para a felicidade. (...) Pena Don Juan, que precisa de tantas mulheres. Ou o alcoólico, que precisa de tanta coisa para beber. Ou o glutão que precisa de tanta coisa para comer ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.32.
Temperança é da maior importância em mundos como o nosso. Uma vez que nossa alimentação básica e necessidades reprodutivas sejam atendidas, ela só é muito fácil para as nossas mentes para assumir e nos enganar e acreditar que podemos controlar - e têm o direito de – o excesso, só porque ele está disponível. E perdemos a chance de aguçar nossos sentidos, de refinar nosso gosto e nos perdemos na intensidade de nossos prazeres, em vez de sua quantidade.
"A lição é especialmente válida para as nossas sociedades ricas, onde as pessoas sofrem e morrem com mais frequência a partir de intemperança do que de fome ou auto-privação. A temperança é a virtude de todos os tempos, mas é ainda mais necessária quando os tempos são bons. Não é uma virtude de circunstâncias extraordinárias, como a coragem (que é mais necessário quando os tempos são difíceis), mas uma humilde virtude comum, a ser praticada de forma regular, em vez de caráter excepcional, a virtude da moderação, não heroísmo. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.42.
“É uma virtude difícil, porque requer constância, perseverança, disciplina. Mas os frutos que colhemos e a alegria que experimentamos, uma vez que recuperar esse controle!” (Releitura de Epicuro), diz Comte-Sponville que sua filosofia não era uma do prazer a todo custo. Era uma filosofia de prazer nas pequenas coisas.




5. Coragem.
Quando falamos de coragem como uma virtude, não estamos falando sobre a imprudência dos grandes guerreiros, os destemidos ou os que são facilmente estimulados pelo medo. E enquanto não podemos negar que os egoístas e os maus também são capazes de ser corajosos, não é isso que nos interessa também. Assim como a prudência, a coragem é a condição de todas as outras virtudes: a primeira nos ajuda a encontrar a melhor forma de praticá-los, a última atreve-nos a agir sobre elas:
"Esse tipo de coragem não é ausência de medo, mas a capacidade de superá-lo por uma vontade mais forte e mais generosa. Já não é (ou já não é apenas) fisiologia: é uma virtude, que é pré-condição de todos os outros. Já não é a coragem do difícil: é a coragem do gentil, e de heróis. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.41.
E não é apenas isso, ou: "Coragem, então, é o oposto, não só de covardia, mas também da preguiça e covardia" (p. 42). A coragem é uma "decisão", disse Jankélévitch, em face do desconhecido. Onde existe o conhecimento e a sabedoria sozinhos, o medo não tem lugar. Mas como você agir de acordo com eles? Isto é onde a coragem vem de dentro
Ela também é uma virtude que "existe apenas no presente" (p. 45). Só porque você mostrou coragem uma vez não significa que você vai fazê-lo novamente.
Então, se a prudência é o cérebro por trás do bem, você poderia dizer que a coragem é o seu músculo. Uma história que precisa ser exercida regularmente, para que ela não atrofie.
6. Justiça.
Na tradição cristã, a Justiça é a quarta das virtudes cardeais - com prudência, temperança e coragem - e é o único que é boa em si mesmo: as outras, dependendo de como e por que elas são praticadas, podem vir a ser meros " talentos "ou" qualidades "(p.53).

Aqui estamos interessados ​​em Justiça não no contexto da Lei, porque a Lei pode ser injusta. Para contra-la apenas, você tem que atinar para a igualdade (mesmo que nem todos os homens sejam efetivamente iguais, se fosse esse o caso, não haveria ricos ou pobres). Você tem que tratar os outros de forma justa.
"O que é somente uma pessoa? Alguém que coloca sua força a serviço da lei e direitos e, decretando por si mesmo a igualdade de todos os os homens, independentemente das inúmeras desigualdades no que eles são, ou podem fazer, assim, institutos de uma ordem que não existe, mas sem a qual nenhuma ordem jamais poderia nos satisfazer. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.76.
Porque a ideia de Justiça não existe como um estado de fato, deve ser feito um contrato entre os homens, e colocado em prática, uma e outra vez, para tratar uns aos outros com Justiça, mesmo entre fortes e fracos, eruditos e ignorantes. Para explicar melhor isso, Comte-Sponville cita em nota o filósofo francês Simone Weil: "a virtude da Justiça consiste em se comportando exatamente como se houvesse igualdade quando se é mais forte em uma relação desigual".
Embora seja bom lutar por lei e Justiça para se tornar um homem justo, é ilusório acreditar que nunca sejamos injustos. Para a Justiça ser praticada, o interesse pessoal, bem como o interesse coletivo deve muitas vezes ser resistido. Posto nunca é plenamente realizada, a luta pela Justiça é interminável (p.84).

7. Generosidade.
"A generosidade é a virtude de dar" (p.88). Nós só podemos dar o que possuímos, para aqueles que precisam mais do que nós. Mas conquanto nós a tanto elogiamos e com tanto entusiasmo, ela é difícil de encontrar, porque o egoísmo muitas vezes ganha. Então, o que é exigido de nós para praticá-la, e que, exatamente, é a sua prática?
A generosidade é um testamento. Ao contrário de amor, que nós não escolhemos sentir, vamos mostrar generosidade, porque queremos ser generosos. Em suma, esta virtude é um esforço. Ele também exige que sejamos livres, que deixar de ir:
"O homem generoso não é prisioneiro de suas emoções ou de si mesmo, pelo contrário, ele é dono de si mesmo e por esta razão não faz nem procura desculpas. (...) Para ser generoso é necessário ser livre de si mesmo, das próprias ações mesquinhas e pequenas posses, um pouco de ressentimentos e ciúmes. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.94-95.
Generosidade existe onde o amor não faz presença. Há algo mais fácil do que dar quando se ama? Isto é verdade para todas as virtudes.Amor incondicional, amor indiscriminado não é algo simples que os mortais possam experimentar. Então, ao invés, nós tentaremos nosso melhor para criá-lo. Spinoza escreve: “o amor é o objetivo, a generosidade o caminho para ela" (p.93).
"Generosidade é o desejo de amor (...) Amar o amor é alegrar-se com a idéia de que o amor existe ou vai existir, mas também é uma forma de se esforçar para fazer o amor acontecer e esse esforço é a própria generosidade: Eu estaria inclinado a dizer que quem quer ser generoso está se esforçando ao amor e agindo nesse sentido.”
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.101.
8. Compaixão.
A compaixão é a "participação no sofrimento dos outros" (p.105). Como tal, é muito doloroso para experimentá-la com outra pessoa e humilhante para provocá-la em outros. Para melhor compreender a compaixão, não devemos confundi-la com simpatia, que não discrimina, nem piedade, que, levada ao extremo, pode ajudar a justificar a crueldade, que implica outra forma um sentimento de superioridade na pessoa que o sente.
A simpatia é a capacidade de sentir a mesma coisa que outra pessoa, independentemente do valor desses sentimentos. É perfeitamente possível que você simpatizar com a emoção do carrasco, por exemplo. Mas simpatia com crueldade é a própria crueldade. No entanto, a compaixão, que é uma das formas simpatia toma, faz uma clara distinção:
"Compartilhando no sofrimento do outro não significa que haja uma aprovação no que quer que ações boas ou más razões ele tem para o sofrimento, isso significa que alguém se recusa a considerar qualquer sofrimento como uma questão de indiferença ou qualquer ser vivo como uma coisa".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.98.
Por exemplo, pode-se sentir compaixão pelo sofrimento causado pela inveja, mas não tolerar a inveja em si.
Compaixão não é pena também. "Onde pena é abstrata, loquaz e generalizante, a compaixão é concreta, em silêncio, e específica" (p.106). Pena é capaz de se relacionar com o sofrimento de todo um grupo, enquanto que a compaixão só funciona numa base caso-a-caso. Pena, portanto, é capaz de justificar ainda mais a violência ou crueldade em resposta às causas do sofrimento, enquanto que a compaixão não pode, porque ela se sente para quem sofre, independentemente de que lado eles estão. Piedade também implica um desequilíbrio entre a pessoa que sente e seu objeto:
"Compaixão sempre implica, parece-me, um certo grau de desprezo, ou pelo menos um sentimento de superioridade por parte da pessoa que a experimenta. (...) A compaixão, ao contrário, é um sentimento horizontal, que só faz sentido entre iguais, ou melhor ainda, realiza essa igualdade entre as pessoas que sofrem e que a pessoa ao seu lado, que se torna igual a ele, compartilhando seu sofrimento ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.114-115.
Por último, mas não menos importante: a compaixão é um sentimento e, como tal, não é um dever. Mas nós temos a responsabilidade de educar e desenvolver nossa capacidade de sentir, porque a compaixão é mais realista do que um sentimento de amor ", que nos permite passar de um reino para o outro, desde o reino emocional para o reino ético, a partir de o que sentimos com o que queremos, do que somos ao que devemos fazer "(p.108).
9. Misericórdia.
"Misericórdia, como eu tomar esta palavra a dizer, é a virtude do perdão - ou melhor ainda, a sua verdade" (p.112). Mas o que é o perdão? Não é apagar o errado, porque ninguém pode mudar o passado, nem é esquecê-lo, porque, como você irá permanecer fiel a quem já foi injustiçado, e como você irá protegê-lo e mesmo se você esquecer alguém injustiçado por você? O perdão, que é o oposto do ressentimento, sinaliza o fim do ódio.
"Como a prudência, a misericórdia é uma virtude intelectual, pelo menos ele começa assim e assim permanece por algum tempo depois disso. Misericordia exige que entender uma coisa. (...) Para perdoar é aceitar. Não, a fim de parar de lutar, é claro, mas a fim de parar de odiar. (...) A pessoa que perdoa, sabendo muito bem como libertou os culpados irá suporta-la sem vacilar ressentimento, fazendo a graça de compreendê-los, dispensando-os, e perdoando-os por existir e ser o que são. O bastardo, afinal, escolheu livremente a ser um? "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.121-122.
O objetivo, diz ele, é livrar-se de ódio em seu coração, uma vez que nem sempre é possível livrar-se dela em outra pessoa, e "para evitar tornar-se seu cúmplice, bem como a sua vítima" (p.122). Assim, a compreensão, as razões para o ódio desaparecer, e ainda há mais nada a perdoar. Enquanto ainda podemos lutar contra, ou punir, "o momento muito perdão é oferecido, ele abole-se em misericórdia" (p.126).
Misericórdia é a compreensão e aceitação. Ele não tem que se traduzir em abandonar a luta, mas ajuda a transformar a vingança em Justiça.



10. Gratidão.
Gratidão, diz Comte-Sponville, é uma alegria que prolonga a outra: a alegria de receber (p.126). "Agradecer é dar, para ser-mos meios graciosos para compartilhar. Esse prazer que devo a você não é só para mim "(p.125).
Gratidão requer humildade, a virtude, vamos examinar a seguir, a reconhecer que não é suficiente, que não se vive por si mesmo, que a causa da alegria não é interior, mas exterior. É a alegria de estar vivo, o que devemos a algo ou alguém:
"O que é certo é que a gratidão difere da ingratidão precisamente na sua capacidade de ver no outro a causa de sua alegria (ao contrário do amor-próprio, que vê a causa de sua alegria apenas no próprio). É por isso que a ingratidão é desonrosa e a gratidão é boa e nos faz bem. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.127.
Gratidão é a alegria. "É, portanto, o oposto do arrependimento ou saudade (que são dores de um passado que nunca existiu ou existe mais), mas também é o oposto da esperança ou apreensão, um desejoso, o outro temente (ambos desejando e temendo) a futuro que ainda está por vir e, na verdade nunca pode ser, mas que tortura por sua ausência "(p.129).
Gratidão, simples e leve, é a virtude que faz amizades possível.
11. Humildade.
Aristóteles disse que a virtude é "uma média entre dois vícios" (p.142). Ele não é uma exceção para a humildade, que é o ponto médio entre a vaidade e a humilitude.
Humildade, diz Comte-Sponville, difere da humilitude na medida em que ...
"... Não é desprezo por si mesmo, ou se é, é desprezo informado, decorrente não de ignorância do que somos, mas a partir do conhecimento, ou melhor, o reconhecimento, de tudo o que não somos."
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.140.
A humildade é um olhar honesto sobre si mesmo, em suas limitações. Nesse sentido, é de conhecimento, ao contrário da vaidade, que é crença, e falsa humildade, que é o exagero de nossas imperfeições.
"Humildade, como uma virtude", diz ele, "é essa tristeza verdadeira de ser apenas a si mesmo." Mas esse conhecimento e aceitação não devem vir sozinhos: temos de ter misericórdia de nós mesmos. Entender o que nossas fraquezas também devem ser acompanhadas pela coregem , seja para superá-las ou reconhecer nos outros as qualidades que não temos. "A auto aceitação - mas sem ilusões" (p.143).
Humildade não é má consciência, remorso ou vergonha, porque não tem nada a ver com o que fizemos no passado, mas com o que somos, e não somos mais.
Por último, mas não menos importante:
"Humildade, a este respeito, pode muito bem ser a mais religiosa das virtudes. Como um anseio por se ajoelhar nas igrejas! Por que negar a si mesmo? Falando apenas por mim, eu diria que é porque eu tenho que acreditar que Deus me criou - e que a pretensão, pelo menos, é um dos que eu me libertei. O que as pequenas coisas que somos, o quão fraco e como miserável! A humanidade torna-se uma criação tão patética: como podemos acreditar que Deus poderia querer isso?
Por isso, é que a humildade, nascida da religião, pode levar ao ateísmo.
Crer em Deus seria um pecado de orgulho. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.140.

12. Simplicidade.
"A inteligência é a arte de fazer coisas complexas a um olhar mais simples, não o contrário" (p.146). A simplicidade é uma virtude intelectual. "É bom senso ou o som julgamento (...) razão desenganado por si mesma" (p.146). Mas é também, e sobretudo, um ene espiritual:
"A simplicidade é espontaneidade, é a improvisação alegre, desinteressada, desprendimento, um desdém para provar, vencendo, impressionando. (...) Para ser simples, então, é prciso esquecer de si mesmo, e é isso que faz com que simplicidadeja s uma virtude: não o contrário do egoísmo, que é a generosidade, mas o contrário do narcisismo, a pretensão, a auto-importância ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.153-154.
O simples não se preocupa consigo mesmo, mas com a realidade. Simplicidade não é estupidez e seu oposto "não é o complexo, mas o falso" (p.142). Falsificando simplicidade, por exemplo, não se está a ser simples. É a virtude em que todos os outras se tornam realidade: misericórdia falsificada não é misericórdia. A este respeito, é melhor ser simplesmente impiedoso do que falsamente misericordioso.
"A simplicidade é a verdade das virtudes e defeitos desculpaveis: faz a graça dos santos e o encanto dos pecadores."
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.154.
Não é a virtude dos filhos, também.A Simplicidade é aprendida, ao longo de anos de derramamento de camadas narcisistas constritivas. É a "liberdade, leveza, transparência" (p.151).
A simplicidade nos permite ser livres de nossos egos, sermos espontâneos e lúcidos, não nos levado muito a sério.
13. Tolerância.
A tolerância é uma virtude "menor", mas é necessária. Trata-se de opinião, não a verdade - que não precisa convencer ninguém de que ela é, e é, portanto, livre. Refere-se à nossa capacidade de lidar com as opiniões que se opõem à nossa. Em um mundo ideal, seria o respeito, o amor, mas para estas virtudes muitas vezes somos incapazes. "Polidez", "pena", "indiferença" (nas palavras de Louis Prat) ou um sentimento de superioridade podem desempenhar um papel na atitude do tolerante.
Para tolerância a permanecer uma virtude, ele deve ter limites claros, pois o intolerável existe. Onde está o limite?
"Moralmente é intolerável sofrimento dos outros, a injustiça e a opressão, quando poderiam ser evitados ou combatidos por meio de um mal menor. Politicamente intolerável é qualquer coisa que realmente ameace a liberdade, a paz ou a sobrevivência de uma sociedade. (...) Qualquer ameaça à tolerância é, portanto, também politicamente intolerável, desde que a ameaça não seja simplesmente a expressão de uma posição ideológica - que pode ser tolerada -, mas perigo real -. Que deve ser combatido, se necessário através da força "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.163.
A este respeito, deve ser feita menção ao fanatismo e totalitarismo. Como dissemos anteriormente, a verdade escapa da tolerância: "A verdade não obedece, como Alain nos lembra, o que a torna livre. Nem dar ordens, e que nos torna livres "(p.165). É importante notar que a verdade e o bem são coisas muito diferentes. A verdade não deve governar, porque exclui todo o debate, e isso é o stalinismo ou qualquer religião que defina como um pecador ou alguém infiel quem não se curva às suas regras, como reveladas por Deus:
"Todo crente, no entanto convencido de que ele está certo, tem que reconhecer que ele não pode provar que a sua posição não é diferente da de qualquer dos seus adversários, que estão tão convencidos de que ele é e como incapaz de convencê-lo."
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.165.
Entre católicos, protestantes, muçulmanos, judeus e ateus da mesma forma a preocupação: "o que é o secularismo se não a tolerância como uma instituição?" (P.167).
É por isso que uma sociedade funcional, numa democracia, deve dar espaço para uma variedade de opiniões, não importa o quão ridículo. E nós devemos tolerar, porque é o mínimo que podemos fazer.
14. Pureza.
"A pureza é o amor sem cobiça" (p.182). Em outras palavras, é a virtude de quem ama, livre de auto-interesse. Quando se refere ao sexo, a pureza não é puritanismo ou a castidade, porque quando o desejo é "aceito e compartilhado" (p. 177), podemos esquecer de nós mesmos, nos perdemos em um momento de profundo prazer, e dar-nos um ao outro completamente. Amantes que tratam uns aos outros com respeito são mais puros do que aqueles que julgá-los:
"A pureza nunca pode ser absoluta, a pureza é uma certa maneira de não ver o mal onde não existe o mal a ser visto. Uma pessoa impuro vê o mal em toda parte e tem prazer no fato. Uma pessoa pura vê nada mal, ou melhor, vê-lo apenas quando ele existe - em selfisness, crueldade, maldade - e isso entristece-lo. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.177.
Tem a ver com o que está em nossos corações. Um violento, amor possessivo, um desejo que só pretende certificar-se de que trata o outro como seu objeto, não pode ser puro: "O amor que toma é impuro, o amor que dá ou contempla é puro" (p.177).
É uma virtude impossível, porque estamos tão conflituoso. O amor-próprio não é uma coisa má em si mesma ("amarás o teu próximo como a ti mesmo"), mas é preciso saber os limites:
"Uma coisa não cometer o mal para o bem do mal, apenas por uma questão de prazer, o que é uma boa. O que corrompe a "pureza de motivos", para usar a terminologia de Kant, novamente, não é o corpo ou alguma vontade maligna (que desejam o mal pelo mal), mas o querido 'eu' que sempre vêm enfrentando. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.178.
É uma virtude sobre as intenções. Pureza em seu coração significa que você sabe que "nada é impuro em si mesmo", e você não tem medo. Não, se você adora o seu trabalho e transformá-lo em uma missão, não se você e seu amado decidem entrar em paixão crua. Ao meio-dia. Em um espaço público.
15. Gentileza.
Gentileza é a força pacífica: "é o oposto de guerra, crueldade, brutalidade, agressividade, violência" (p.178). Embora muitas vezes associado com a feminilidade, ela não é de forma exclusiva das mulheres, e não existe uma maneira muito masculina de ser gentil. É a virtude de quem faz tudo em seu poder para evitar fazer mal, mesmo que ele está fazendo o bem (porque vamos enfrentá-lo, existem formas duras e desajeitadas de fazer o bem).
Mas, como todas as virtudes discutidas anteriormente, ela deve atender a critérios e limites, a fim de permanecer assim, e não tornar-se covardia, omissão ou preguiça. Gentileza, como o domínio de si mesmo, como "a virtude da flexibilidade, paciência, dedicação, capacidade de adaptação" (p.188), depende das circunstâncias e, como tal, não pode ser absoluta:
"... A não-violência, se levado ao extremo, que nos proíbe de lutar eficazmente contra a violência criminosa ou bárbara, não apenas quando ele está destinado a nós, mas também quando ele atinge os indefesos e os inocentes. (...) Devemos fazer uma clara distinção, portanto, entre os pacíficos, que estão dispostos a defender a paz, mesmo com o uso da força, e os pacifistas, que se opõem à guerra em qualquer circunstância e contra qualquer pessoa. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.190-191.
Não existe tal coisa como apenas raiva e um uso justificado de violência. Em consequência, a mansidão não deve tornar-se um "sistema", mas sempre temperada pela prudência (que,lembra, nos ajuda a praticar as virtudes de inteligência).
Gentileza não é apenas humana, mas apenas por cultivá-la podemos nos tornar mais humanos. Ele nos ajuda a reconhecer os momentos em que a violência não se justifica.
16. Boa-fé.
A boa-fé é o amor de verdade. Ela difere de sinceridade na medida em que vai além de ser sincero com os outros. Como uma virtude, que exige que esclarecer nossa relação com a verdade: é preciso saber quando e como ser sincero com os outros, mas também, e fundamentalmente, que nunca estejamos a mentir para nós mesmos.
Devemos crer que o que diz a verdade é não sincero. Mas devemos sempre, sem exceção, dizer a verdade? Não, diz Comte-Sponville, por transformá-la em um absoluto vira fanatismo (ver tolerância). Enquanto a sinceridade é uma virtude, sem pensar que é imprudente. "Estupidez" (contando a Gestapo você está protegendo um judeu) e "suicídio" (colocando sua própria vida em perigo, porque a mentira é ruim) não são virtudes, acrescenta, e é por isso que devemos ser prudentes (espertos) o suficiente para sabe quando a mentir ou omitir a verdade:
"Que tipo de virtude é tão egocêntrica, tão preocupada com o próprio pedaço de integridade e dignidade, que para preservar-se está preparada para entregar uma pessoa inocente a assassinos? O que é esse dever que não tem prudência, compaixão e caridade nele? Mentir é uma ofensa? Claro que é, mas assim é a dureza de coração, e uma mais grave um para isso! "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.203.
A verdade só é boa na medida em que não é colocada acima da Justiça, a compaixão, a generosidade" ou "amor" (p.204). Ninguém deve fazê-la assim. Isso, no entanto, não significa que você não deva ser honesto com a pessoa que está morrendo sobre a gravidade de sua condição quando eles perguntam isso. Lucidez é seu direito e você não deve levá-la para longe deles, especialmente quando isso significa dar-lhes uma falsa esperança.
Nós, no entanto, não recebemos um passe livre. No caso do egismo, boa-fé como uma virtude deve ser tratada como uma necessidade absoluta, porque nada vai justificar que nós mintamos para nós mesmos. Não fazer isso seria covarde e / ou narcisista. Colocando o nosso próprio ego acima da verdade é "má-fé", que, de acordo com Sartre, é uma "ameaça permanente para a consciência." Esforçar-se para as nossas próprias verdades é "um esforço, uma demanda, uma virtude."
Por último, a boa-fé é uma virtude intelectual, é a virtude do conhecimento. É a virtude do filósofo em que ele é "alguém que, quando se trata de si mesmo, pelo menos, define a verdade acima de todas as coisas, acima de honra ou poder, felicidade ou sistemas, e mesmo virtude ou amor. Ele preferia saber que ele é o mal do que fingir que ele é bom "(p.209). Para uma pessoa que busca a sabedoria...
"O amor da verdade é mais importante do que a religião, a lucidez é mais preciosa do que a esperança e boa-fé é mais válido e mais valioso do que fé. (...) A boa-fé é o espírito da mente, que prefere a sinceridade ao engano, o conhecimento à ilusão, riso a solenidade. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.209-210.
17. Humor.
"O humor é a polidez do desespero", disse Boris Vian (p.211). Ser agraciado com um senso de humor significa que somos capazes de rir com o que mais ama (nós mesmos e tudo perto de nós) e os nossos pequenos dramas. "É auto-reflexivo" e muitas vezes "agridoce" (p.215):
"O que nós amamos sorrindo nós amar melhor, de uma forma mais leve, mais inteligente e, portanto, mais livre. (...) [Humor é] Simpatia na dor, no abandono, fragilidade, angústia, futilidade, na insignificância universal de todas as coisas. "
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.218.
Ironia, por outro lado, é uma arma, e cria um abismo entre nós e tudo o que desprezamos: zombar de nós outros, enquanto ainda levando-nos a sério. Não que a ironia não é útil às vezes (é), mas só o humor é uma virtude.
Quando as coisas ficam difíceis, quando atingiu um muro, quando não podemos fazer sentido de tudo, humor nos ajuda através dela, ela nos ajuda a aceitá-lo.
"Humor é uma espécie de luto (...) Ele transforma a tristeza em alegria (e, portanto, o ódio em amor e misericórdia, como Spinoza diria), se transforma em comédia a desilusão, desespero em alegria. (...) O humor é a ambivalência, contradição, fratura, mas aceitou, superado, transcendeu, e transforma ".
Pequeno Tratado das Grandes Virtudes (Comte-Sponville-Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999-Tradução de Eduardo Brandão ), p.216.
Simplificando, "onde as feridas da ironia, humor cura." O que isto significa é que nós podemos brincar com qualquer coisa que quisermos, qualquer coisa, desde que nos incluímos nele, desde que usam o humor - o que é humilde, generoso, valente, misericordioso - e não a ironia - que zomba de tudo, mas em si e só procura prejudicar. Tem menos a ver com o que dizemos que com que intenção, e como dizemos.
Humor "neutraliza o ódio, a raiva, o ressentimento, o fanatismo, os sistemas totalizantes do pensamento, a mortificação, e até mesmo ironia." Isso nos ajuda a manter as coisas em perspectiva e ver a roupa nova do imperador.
Uma armadilha: cultivar humor por causa do humor, transformando-se em um sistema ou uma religião "é tanto trair e trair a falta dela" (p.215). Usá-lo como um mecanismo de defesa ou para se fazer uma boa aparência e deixa de ser uma virtude. Humor, ironia ao contrário, não se leva a sério, então não vamos pervertê-la.


*FLAVIO FAGUNDES FERREIRA é VASP.







3 comentários:

  1. ta faltando o amor aí.

    ResponderExcluir
  2. tem frases que não fazem sentido. Parecem uma tradução mal feita da obra original.

    ResponderExcluir

Please rational coments: