sábado, 9 de novembro de 2013

letters between Einstein and Freud about war

The Einstein-Freud Correspondence (1931-1932)
The letter which Einstein addressed to Freud, concerning the projected organization of intellectual leaders, was sent in 1931, or possibly 1932, and read as follows:I greatly admire your passion to ascertain the truth--a passion that has come to dominate all else in your thinking. You have shown with irresistible lucidity how inseparably the aggressive and destructive instincts are bound up in the human psyche with those of love and the lust for life. At the same time, your convincing arguments make manifest your deep devotion to the great goal of the internal and external liberation of man from the evils of war. This was the profound hope of all those who have been revered as moral and spiritual leaders beyond the limits of their own time and country, from Jesus to Goethe and Kant. Is it not significant that such men have been universally recognized as leaders,even though their desire to affect the course of human affairs was quite ineffective?
I am convinced that almost all great men who, because of their accomplishments, are recognized as leaders even of small groups share the same ideals. But they have little influence on the course of political events. It would almost appear that the very domain of human activity most crucial to the fate of nations is inescapably in the hands of wholly irresponsible political rulers.
Political leaders or governments owe their power either to the use of force or to their election by the masses. They cannot be regarded as representative of the superior moral or intellectual elements in a nation. In our time, the intellectual elite does not exercise any direct influence on the history of the world; the very fact of its division into many factions makes it impossible for its members to co-operate in the solution of today's problems. Do you not share the feeling that a change could be brought about by a free association of men whose previous work and achievements offer a guarantee of their ability and integrity? Such a group of international scope, whose members would have to keep contact with each other through constant interchange of opinions, might gain a significant and wholesome moral influence on the solution of political problems if its own attitudes, backed by the signatures of its concurring members, were made public through the press. Such an association would, of course, suffer from all the defects that have so often led to degeneration in learned societies; the danger that such a degeneration may develop is, unfortunately, ever present in view of the imperfections of human nature.
However, and despite those dangers, should we not make at least an attempt to form such an association in spite of all dangers? It seems to me nothing less than an imperative duty!
Once such an association of intellectuals--men of real stature--has come into being, it might then make an energetic effort to en-list religious groups in the fight against war.
The association would give moral power for action to many personalities whose good intentions are today paralyzed by an attitude of painful resignation. I also believe that such an association of men, who are highly respected for their personal accomplishments, would provide important moral support to those elements in the League of Nations who actively support the great objective for which that institution was created. I offer these suggestions to you, rather than to anyone else in the world, because your sense of reality is less clouded by wishful thinking than is the case with other people and since you combine the qualities of critical judgment, earnestness and responsibility.
The high point in the relationship between Einstein and Freud came in the summer of 1932 when, under the auspices of the International Institute of Intellectual Co-operation, Einstein initiated a public debate with Freud about the causes and cure of wars. Einstein's official letter is dated July 30, 1932; it was accompanied by the following private note of the same date:I should like to use this opportunity to send you warm personal regards and to thank you for many a pleasant hour which I had in reading your works. It is always amusing for me to observe that even those who do not believe in your theories find it so difficult to resist your ideas that they use your terminology in their thoughts and speech when they are off guard.
This is Einstein's open letter to Freud, which, strangely enough, has never become widely known:
Dear Mr. Freud:
The proposal of the League of Nations and its International Institute of Intellectual Cooperation at Paris that I should invite a person, to be chosen by myself, to a frank exchange of views on any problem that I might select affords me a very welcome opportunity of conferring with you upon a question which, as things now are, seems the most insistent of all the problems civilization has to face. This is the problem: Is there any way of delivering mankind from the menace of war? It is common knowledge that, with the advance of modern science, this issue has come to mean a matter of life and
death for Civilization as we know it; nevertheless, for all the zeal displayed, every attempt at its solution has ended in a lamentable breakdown. I believe, moreover, that those whose duty it is to tackle the problem professionally and practically are growing only too aware of their impotence to deal with it, and have now a very lively desire to learn the views of men who, absorbed in the pursuit of science, can see world problems in the perspective distance lends. As for me, the normal objective of my thought affords no insight into the dark places of human will and feeling. Thus, in the inquiry now proposed, I can do little more than to seek to clarify the question at issue and, clearing the ground of the more obvious solutions, enable you to bring the light of your far-reaching knowledge of man's instinctive life to bear upon the problem. There are certain psychological obstacles whose existence a layman in the mental sciences may dimly surmise, but whose interrelations and vagaries he is incompetent to fathom; you, I am convinced, will be able to suggest educative methods, lying more or less outside the scope of politics, which will eliminate these obstacles.
As one immune from nationalist bias, I personally see a simple way of dealing with the superficial (i.e., administrative) aspect of the problem: the setting up, by international consent, of a legislative and judicial body to settle every conflict arising between nations.
Each nation would undertake to abide by the orders issued by this legislative body, to invoke its decision in every dispute, to accept its judgments unreservedly and to carry out every measure the tribunal deems necessary for the execution of its decrees. But here, at the outset, I come up against a difficulty; a tribunal is a human institution which, in proportion as the power at its disposal is inadequate to enforce its verdicts, is all the more prone to suffer these to be deflected by extrajudicial pressure. This is a fact with which we have to reckon; law and might inevitably go hand in hand, and juridical decisions approach more nearly the ideal justice demanded by the community (in whose name and interests these verdicts are pronounced) insofar as the community has effective power to compel respect of its juridical ideal. But at present we are far from possessing any supranational organization competent to render verdicts of incontestable authority and enforce absolute submission to the execution of its verdicts. Thus I am led to my first
axiom: The quest of international security involves the unconditional surrender by every nation, in a certain measure, of its liberty of action--its sovereignty that is to say--and it is clear beyond all doubt that no other road can lead to such security.
The ill success, despite their obvious sincerity, of all the efforts made during the last decade to reach this goal leaves us no room to doubt that strong psychological factors are at work which paralyze these efforts. Some of these factors are not far to seek. The craving for power which characterizes the governing class in every nation is hostile to any limitation of the national sovereignty. This political power hunger is often supported by the activities of another group, whose aspirations are on purely mercenary, economic lines. I have especially in mind that small but determined group, active in every nation,composed of individuals who, indifferent to social considerations and restraints, regard warfare, the manufacture and sale of arms, simply as an occasion to advance their personal interests and enlarge their personal authority.
But recognition of this obvious fact is merely the first step toward an appreciation of the actual state of affairs. Another question follows hard upon it: How is it possible for this small clique to bend the will of the majority, who stand to lose and suffer by a state of war, to the service of their ambitions.1 An obvious answer to this question would seem to be that the minority, the ruling class at present, has the schools and press, usually the Church as well, under its thumb. This enables it to organize and sway the emotions of the masses, and makes its tool of them. Yet even this answer does not provide a complete solution. Another question arises from
it: How is it that these devices succeed so well in rousing men to such wild enthusiasm, even to sacrifice their lives? Only one answer is possible. Because man has within him a lust for hatred and destruction. In normal times this passion exists in a latent state, it emerges only in unusual circumstances; but it is a comparatively easy task to call it into play and raise it to the power of a collective psychosis. Here lies, perhaps, the crux of all 1 In speaking of the majority I do not exclude soldiers of every rank who have chosen war as their profession, in the belief that they are serving to defend the highest interests of their race, and that attack is often the best method of defense. the complex factors we are considering, an enigma that only the expert in the lore of human instincts can resolve. And so we come to our last question. Is it possible to control man's mental evolution so as to make him proof against the psychosis of hate and destructiveness? Here I am thinking by no means only of the so-called uncultured masses. Experience proves that it is rather the so-called "intelligentsia" that is most apt to yield to these disastrous collective suggestions, since the intellectual has no direct contact with life in the raw but encounters it in its easiest, synthetic form--upon the printed page.
To conclude: I have so far been speaking only of wars between nations; what are known as international conflicts. But I am well aware that the aggressive instinct operates under other forms and in other circumstances. (I am thinking of civil wars, for instance, due in earlier days to religious zeal, but nowadays to social factors; or, again, the persecution of racial minorities.) But my insistence on what is the most typical, most cruel and extravagant form of conflict between man and man was deliberate, for here we have the
best occasion of discovering ways and means to render all armed conflicts impossible.
I know that in your writings we may find answers, explicit or implied, to all the issues of this urgent and absorbing problem. But it would be of the greatest service to us all were you to present the problem of world peace in the light of your most recent discoveries, for such a presentation well might blaze the trail for new and fruitful modes of action.
Yours very sincerely

Leon Steinig, a League of Nations official who did much to inspire this correspondence, wrote Einstein on September 12, 1932:
. . . When I visited Professor Freud in Vienna, he asked me to thank you for your kind words and to tell you that he would do his best to explore the thorny problem of preventing war. He will have his answer ready by early October and he rather thinks that what he has to say will not be very encouraging. "All my life I have had to tell people truths that were difficult to swallow. Now that I am old, I certainly do not want to fool them." He was even doubtful whether Bonnet2 would want to publish his pessimistic reply. . . .

Einstein replied to Steinig four days later saying that even if Freud's reply would be neither cheerful nor optimistic, it would certainly be interesting and psychologically effective. 2 Henri Bonnet, Director of the Institute of Intellectual Co-operation in Paris.
Freud's reply, dated Vienna, September 1932, has also never been given the attention it deserved:
Dear Mr. Einstein:
When I learned of your intention to invite me to a mutual exchange of views upon a subject which not only interested you personally but seemed deserving, too, of public interest, I cordially assented. I expected you to choose a problem lying on the borderland of the knowable, as it stands today, a theme which each of us, physicist and psychologist, might approach from his own angle, to meet at last on common ground, though setting out from different premises. Thus the question which you put me--what is to be done to rid mankind of the war menace?--took me by surprise. And, next, I was dumbfounded by the thought of my (of our, I almost wrote) incompetence; for this struck me as being a matter of practical politics, the statesman's proper study. But then I realized that you did not raise the question in your capacity of scientist or physicist, but as a lover of his fellow men, who responded to the call of the League of Nations much as Fridtjof Nansen, the polar explorer, took on himself the task of succoring homeless and starving victims of the World War. And, next, I reminded myself that I was not being called on to formulate practical proposals but, rather, to explain how this question of preventing wars strikes a psychologist.
But here, too, you have stated the gist of the matter in your letter--and taken the wind out of my sails! Still, I will gladly follow in your wake and content myself with endorsing your conclusions, which, however, I propose to amplify to the best of my knowledge or surmise.
You begin with the relations between might and right, and this is assuredly the proper starting point for our inquiry. But, for the term might, I would substitute a tougher and more telling word: violence. In right and violence we have today an obvious antinomy. It is easy to prove that one has evolved from the other and, when we go back to origins and examine primitive conditions, the solution of the problem follows easily enough. I must crave your indulgence if in what follows I speak of well-known, admitted facts as though they were new data; the context necessitates this method.
Conflicts of interest between man and man are resolved, in principle, by the recourse to violence. It is the same in the animal kingdom, from which man cannot claim exclusion; nevertheless, men are also prone to conflicts of opinion, touching, on occasion, the loftiest peaks of abstract thought, which seem to call for settlement by quite another method. This refinement is, however, a late development. To start with, group force was the factor which, in small communities, decided points of ownership and the question
which man's will was to prevail. Very soon physical force was implemented, then replaced, by the use of various adjuncts; he proved the victor whose weapon was the better, or handled the more skillfully. Now, for the first time, with the coming of weapons, superior brains began to oust brute force, but the object of the conflict remained the same: one party was to be constrained, by the injury done him or impairment of his strength, to retract a claim or a refusal. This end is most effectively gained when the opponent is definitely put out of action--in other words, is killed. This procedure has two advantages: the enemy cannot renew hostilities, and, secondly, his fate deters others from following his example. Moreover, the slaughter of a foe gratifies an instinctive craving--a
point to which we shall revert hereafter. However, another consideration may be set off against this will to kill: the possibility of using an enemy for servile tasks if< his spirit be broken and his life spared. Here violence finds an outlet not in slaughter but in subjugation. Hence springs the practice of giving quarter; but the victor, having from now on to reckon with the craving for revenge that rankles in his victim, forfeits to some extent his personal security. Thus, under primitive conditions, it is superior force--brute violence, or violence backed by arms-- that lords it everywhere. We know that in the course of evolution this state of
things was modified, a path was traced that led away from violence to law. But what was
this path? Surely it issued from a single verity: that the superiority of one strong man can
be overborne by an alliance of many weaklings, that l'union fait la force. Brute force is
overcome by union; the allied might of scattered units makes good its right against the
isolated giant. Thus we may define "right" (i.e., law) as the might of a community. Yet it,
too, is nothing else than violence, quick to attack whatever individual stands in its path,
and it employs the selfsame methods, follows like ends, with but one difference: it is the
communal, not individual, violence that has its way. But, for the transition from crude
violence to the reign of law, a certain psychological condition must first obtain. The
union of the majority must be stable and enduring. If its sole raison d'etre be the
discomfiture of some overweening individual and, after his downfall, it be dissolved, it
leads to nothing. Some other man, trusting to his superior power, will seek to reinstate the
rule of violence, and the cycle will repeat itself unendingly. Thus the union of the people
must be permanent and well organized; it must enact rules to meet the risk of possible
revolts; must set up machinery insuring that its rules--the laws--are observed and that
such acts of violence as the laws demand are duly carried out. This recognition of a
community of interests engenders among the members of the group a sentiment of unity
and fraternal solidarity which constitutes its real strength.
So far I have set out what seems to me the kernel of the matter: the suppression of brute
force by the transfer of power to a larger combination, founded on the community of
sentiments linking up its members. All the rest is mere tautology and glosses. Now the
position is simple enough so long as the community consists of a number of equipollent
individuals. The laws of such a group can determine to what extent the individual must
forfeit his personal freedom, the right of using personal force as an instrument of
violence, to insure the safety of the group. But such a combination is only theoretically
possible; in practice the situation is always complicated by the fact that, from the outset,
the group includes elements of unequal power, men and women, elders and children, and,
very soon, as a result of war and conquest, victors and the vanquished--i.e., masters and
slaves--as well. From this time on the common law takes notice of these inequalities of
power, laws are made by and for the rulers, giving the servile classes fewer rights.
Thenceforward there exist within the state two factors making for legal instability, but
legislative evolution, too: first, the attempts by members of the ruling class to set
themselves above the law's restrictions and, secondly, the constant struggle of the ruled to
extend their rights and see each gain embodied in the code, replacing legal disabilities by
equal laws for all. The second of these tendencies will be particularly marked when there
takes place a positive mutation of the balance of power within the community, the
frequent outcome of certain historical conditions. In such cases the laws may gradually be
adjusted to the changed conditions or (as more usually ensues) the ruling class is loath to
rush in with the new developments, the result being insurrections and civil wars, a period
when law is in abeyance and force once more the arbiter, followed by a new regime of
law. There is another factor of constitutional change, which operates in a wholly pacific
manner, viz.: the cultural evolution of the mass of the community; this factor, however, is
of a different order and an only be dealt with later.
Thus we see that, even within the group itself, the exercise of violence cannot be avoided
when conflicting interests are at stake. But the common needs and habits of men who live
in fellowship under the same sky favor a speedy issue of such conflicts and, this being so,
the possibilities of peaceful solutions make steady progress. Yet the most casual glance at
world history will show an unending series of conflicts between one community and
another or a group of others, between large and smaller units, between cities, countries,
races, tribes and kingdoms, almost all of which were settled by the ordeal of war. Such
war ends either in pillage or in conquest and its fruits, the downfall of the loser. No single
all-embracing judgment can be passed on these wars of aggrandizement. Some, like the
war between the Mongols and the Turks, have led to unmitigated misery; others,
however, have furthered the transition from violence to law, since they brought larger
units into being, within whose limits a recourse to violence was banned and a new regime
determined all disputes. Thus the Roman conquest brought that boon, the pax Romana, to
the Mediterranean lands. The French kings' lust for aggrandizement created a new
France, flourishing in peace and unity. Paradoxical as its sounds, we must admit that
warfare well might serve to pave the way to that unbroken peace we so desire, for it is
war that brings vast empires into being, within whose frontiers all warfare is proscribed
by a strong central power. In practice, however, this end is not attained, for as a rule the
fruits of victory are but short-lived, the new-created unit falls asunder once again,
generally because there can be no true cohesion between the parts that violence has
welded. Hitherto, moreover, such conquests have only led to aggregations which, for all
their magnitude, had limits, and disputes between these units could be resolved only by
recourse to arms. For humanity at large the sole result of all these military enterprises was
that, instead of frequent, not to say incessant, little wars, they had now to face great wars
which, for all they came less often, were so much the more destructive.
Regarding the world of today the same conclusion holds good, and you, too, have
reached it, though by a shorter path. There is but one sure way of ending war and that is
the establishment, by common consent, of a central control which shall have the last word
in every conflict of interests. For this, two things are needed: first, the creation of such a
supreme court of judicature; secondly, its investment with adequate executive force.
Unless this second requirement be fulfilled, the first is unavailing. Obviously the League
of Nations, acting as a Supreme Court, fulfills the first condition; it does not fulfill the
second. It has no force at its disposal and can only get it if the members of the new body,
its constituent nations, furnish it. And, as things are, this is a forlorn hope. Still we should
be taking a very shortsighted view of the League of Nations were we to ignore the fact
that here is an experiment the like of which has rarely--never before, perhaps, on such a
scale--been attempted in the course of history. It is an attempt to acquire the authority (in
other words, coercive influence), which hitherto reposed exclusively in the possession of
power, by calling into play certain idealistic attitudes of mind. We have seen that there
are two factors of cohesion in a community: violent compulsion and ties of sentiment
("identifications," in technical parlance) between the members of the group. If one of
these factors becomes inoperative, the other may still suffice to hold the group together.
Obviously such notions as these can only be significant when they are the expression of a
deeply rooted sense of unity, shared by all. It is necessary, therefore, to gauge the
efficacy of such sentiments. History tells us that, on occasion, they have been effective.
For example, the Panhellenic conception, the Greeks' awareness of superiority over their
barbarian neighbors, which found expression in the Amphictyonies, the Oracles and
Games, was strong enough to humanize the methods of warfare as between Greeks,
though inevitably it failed to prevent conflicts between different elements of the Hellenic
race or even to deter a city or group of cities from joining forces with their racial foe, the
Persians, for the discomfiture of a rival. The solidarity of Christendom in the Renaissance
age was no more effective, despite its vast authority, in hindering Christian nations, large
and small alike, from calling in the Sultan to their aid. And, in our times, we look in vain
for some such unifying notion whose authority would be unquestioned. It is all too clear
that the nationalistic ideas, paramount today in every country, operate in quite a contrary
direction. Some there are who hold that the Bolshevist conceptions may make an end of
war, but, as things are, that goal lies very far away and, perhaps, could only be attained
after a spell of brutal internecine warfare. Thus it would seem that any effort to replace
brute force by the might of an ideal is, under present conditions, doomed to fail. Our
logic is at fault if we ignore the fact that right is founded on brute force and even today
needs violence to maintain it.
I now can comment on another of your statements. You are amazed that it is so easy to
infect men with the war fever, and you surmise that man has in him an active instinct for
hatred and destruction, amenable to such stimulations. I entirely agree with you. I believe
in the existence of this instinct and have been recently at pains to study its manifestations.
In this connection may I set out a fragment of that knowledge of the instincts, which we
psychoanalysts, after so many tentative essays and gropings in the dark, have compassed?
We assume that human instincts are of two kinds: those that conserve and unify, which
we call "erotic" (in the meaning Plato gives to Eros in his Symposium), or else "sexual"
(explicitly extending the popular connotation of "sex"); and, secondly, the instincts to
destroy and kill, which we assimilate as the aggressive or destructive instincts. These are,
as you perceive, the well known opposites, Love and Hate, transformed into theoretical
entities; they are, perhaps, another aspect of those eternal polarities, attraction and
repulsion, which fall within your province. But we must be chary of passing overhastily
to the notions of good and evil. Each of these instincts is every whit as indispensable as
its opposite, and all the phenomena of life derive from their activity, whether they work
in concert or in opposition. It seems that an instinct of either category can operate but
rarely in isolation; it is always blended ("alloyed," as we say) with a certain dosage of its
opposite, which modifies its aim or even, in certain circumstances, is a prime condition of
its attainment. Thus the instinct of self-preservation is certainly of an erotic nature, but to
gain its end this very instinct necessitates aggressive action. In the same way the love
instinct, when directed to a specific object, calls for an admixture of the acquisitive
instinct if it is to enter into effective possession of that object. It is the difficulty of
isolating the two kinds of instinct in their manifestations that has so long prevented us
from recognizing them.
If you will travel with me a little further on this road, you will find that human affairs are
complicated in yet another way. Only exceptionally does an action follow on the stimulus
of a single instinct, which is per se a blend of Eros and destructiveness. As a rule several
motives of similar composition concur to bring about the act. This fact was duly noted by
a colleague of yours, Professor G. C. Lichtenberg, sometime Professor of Physics at
Gottingen; he was perhaps even more eminent as a psychologist than as a physical
scientist. He evolved the notion of a "Compass-card of Motives" and wrote: "The
efficient motives impelling man to act can be classified like the thirty-two winds and
described in the same manner; e.g., Food-Food-Fame or Fame-Fame-Food." Thus, when
a nation is summoned to engage in war, a whole gamut of human motives may respond to
this appeal--high and low motives, some openly avowed, others slurred over. The lust for
aggression and destruction is certainly included; the innumerable cruelties of history and
man's daily life confirm its prevalence and strength. The stimulation of these destructive
impulses by appeals to idealism and the erotic instinct naturally facilitate their release.
Musing on the atrocities recorded on history's page, we feel that the ideal motive has
often served as a camouflage for the dust of destruction; sometimes, as with the cruelties
of the Inquisition, it seems that, while the ideal motives occupied the foreground of
consciousness, they drew their strength from the destructive instincts submerged in the
unconscious. Both interpretations are feasible.
You are interested, I know, in the prevention of war, not in our theories, and I keep this
fact in mind. Yet I would like to dwell a little longer on this destructive instinct which is
seldom given the attention that its importance warrants. With the least of speculative
efforts we are led to conclude that this instinct functions in every living being, striving to
work its ruin and reduce life to its primal state of inert matter. Indeed, it might well be
called the "death instinct"; whereas the erotic instincts vouch for the struggle to live on.
The death instinct becomes an impulse to destruction when, with the aid of certain
organs, it directs its action outward, against external objects. The living being, that is to
say, defends its own existence by destroying foreign bodies. But, in one of its activities,
the death instinct is operative within the living being and we have sought to trace back a
number of normal and pathological phenomena to this introversion of the destructive
instinct. We have even committed the heresy of explaining the origin of human
conscience by some such "turning inward" of the aggressive impulse. Obviously when
this internal tendency operates on too large a scale, it is no trivial matter; rather, a
positively morbid state of things; whereas the diversion of the destructive impulse toward
the external world must have beneficial effects. Here is then the biological justification
for all those vile, pernicious propensities which we are now combating. We can but own
that they are really more akin to nature than this our stand against them, which, in fact,
remains to be accounted for.
All this may give you the impression that our theories amount to species of mythology
and a gloomy one at that! But does not every natural science lead ultimately to this--a sort
of mythology? Is it otherwise today with your physical sciences?
The upshot of these observations, as bearing on the subject in hand, is that there is no
likelihood of our being able to suppress humanity's aggressive tendencies. In some happy
corners of the earth, they say, where nature brings forth abundantly whatever man
desires, there flourish races whose lives go gently by; unknowing of aggression or
constraint. This I can hardly credit; I would like further details about these happy folk.
The Bolshevists, too, aspire to do away with human aggressiveness by insuring the
satisfaction of material needs and enforcing equality between man and man. To me this
hope seems vain. Meanwhile they busily perfect their armaments, and their hatred of
outsiders is not the least of the factors of cohesion among themselves. In any case, as you
too have observed, complete suppression of man's aggressive tendencies is not in issue;
what we may try is to divert it into a channel other than that of warfare.
From our "mythology" of the instincts we may easily deduce a formula for an indirect
method of eliminating war. If the propensity for war be due to the destructive instinct, we
have always its counter-agent, Eros, to our hand. All that produces ties of sentiment
between man and man must serve us as war's antidote. These ties are of two kinds. First,
such relations as those toward a beloved object, void though they be of sexual intent. The
psychoanalyst need feel no compunction in mentioning "love" in this connection; religion
uses the same language: Love thy neighbor as thyself. A pious injunction, easy to
enounce, but hard to carry out! The other bond of sentiment is by way of identification.
All that brings out the significant resemblances between men calls into play this feeling
of community, identification, whereon is founded, in large measure, the whole edifice of
human society.
In your strictures on the abuse of authority I find another suggestion for an indirect attack
on the war impulse. That men are divided into the leaders and the led is but another
manifestation of their inborn and irremediable inequality. The second class constitutes the
vast majority; they need a high command to make decisions for them, to which decisions
they usually bow without demur. In this context we would point out that men should be at
greater pains than heretofore to form a superior class of independent thinkers,
unamenable to intimidation and fervent in the quest of truth, whose function it would be
to guide the masses dependent on their lead. There is no need to point out how little the
rule of politicians and the Church's ban on liberty of thought encourage such a new
creation. The ideal conditions would obviously be found in a community where every
man subordinated his instinctive life to the dictates of reason. Nothing less than this could
bring about so thorough and so durable a union between men, even if this involved the
severance of mutual ties of sentiment. But surely such a hope is utterly utopian, as things
are. The other indirect methods of preventing war are certainly more feasible, but entail
no quick results. They conjure up an ugly picture of mills that grind so slowly that, before
the flour is ready, men are dead of hunger.
As you see, little good comes of consulting a theoretician, aloof from worldly contact, on
practical and urgent problems! Better it were to tackle each successive crisis with means
that we have ready to our hands. However, I would like to deal with a question which,
though it is not mooted in your letter, interests me greatly. Why do we, you and I and
many another, protest so vehemently against war, instead of just accepting it as another of
life's odious importunities? For it seems a natural thing enough, biologically sound and
practically unavoidable. I trust you will not be shocked by my raising such a question.
For the better conduct of an inquiry it may be well to don a mask of feigned aloofness.
The answer to my query may run as follows: Because every man has a right over his own
life and war destroys lives that were full of promise; it forces the individual into
situations that shame his manhood, obliging him to murder fellow men, against his will; it
ravages material amenities, the fruits of human toil, and much besides. Moreover, wars,
as now conducted, afford no scope for acts of heroism according to the old ideals and,
given the high perfection of modern arms, war today would mean the sheer extermination
of one of the combatants, if not of both. This is so true, so obvious, that we can but
wonder why the conduct of war is not banned by general consent. Doubtless either of the
points I have just made is open to debate. It may be asked if the community, in its turn,
cannot claim a right over the individual lives of its members. Moreover, all forms of war
cannot be indiscriminately condemned; so long as there are nations and empires, each
prepared callously to exterminate its rival, all alike must be equipped for war. But we will
not dwell on any of these problems; they lie outside the debate to which you have invited
me. I pass on to another point, the basis, as it strikes me, of our common hatred of war. It
is this: We cannot do otherwise than hate it. Pacifists we are, since our organic nature
wills us thus to be. Hence it comes easy to us to find arguments that justify our
This point, however, calls for elucidation. Here is the way in which I see it. The cultural
development of mankind (some, I know, prefer to call it civilization) has been in progress
since immemorial antiquity. To this processus we owe all that is best in our composition,
but also much that makes for human suffering. Its origins and causes are obscure, its
issue is uncertain, but some of its characteristics are easy to perceive. It well may lead to
the extinction of mankind, for it impairs the sexual function in more than one respect, and
even today the uncivilized races and the backward classes of all nations are multiplying
more rapidly than the cultured elements. This process may, perhaps, be likened to the
effects of domestication on certain animals--it clearly involves physical changes of
structure--but the view that cultural development is an organic process of this order has
not yet become generally familiar. The psychic changes which accompany this process of
cultural change are striking, and not to be gainsaid. They consist in the progressive
rejection of instinctive ends and a scaling down of instinctive reactions. Sensations which
delighted our forefathers have become neutral or unbearable to us; and, if our ethical and
aesthetic ideals have undergone a change, the causes of this are ultimately organic. On
the psychological side two of the most important phenomena of culture are, firstly, a
strengthening of the intellect, which tends to master our instinctive life, and, secondly, an
introversion of the aggressive impulse, with all its consequent benefits and perils. Now
war runs most emphatically counter to the psychic disposition imposed on us by the
growth of culture; we are therefore bound to resent war, to find it utterly intolerable. With
pacifists like us it is not merely an intellectual and affective repulsion, but a constitutional
intolerance, an idiosyncrasy in its most drastic form. And it would seem that the aesthetic
ignominies of warfare play almost as large a part in this repugnance as war's atrocities.
How long have we to wait before the rest of men turn pacifist? Impossible to say, and yet
perhaps our hope that these two factors--man's cultural disposition and a well-founded
dread of the form that future wars will take--may serve to put an end to war in the near
future, is not chimerical. But by what ways or byways this will come about, we cannot
guess. Meanwhile we may rest on the assurance that whatever makes for cultural
development is working also against war.
With kindest regards and, should this expose prove a disappointment to you, my sincere
Einstein was apparently not disappointed when Freud's reply was received. He addressed the following
letter to Freud on December 3, 1932:
You have made a most gratifying gift to the League of Nations and myself with your
truly classic reply. When I wrote you I was thoroughly convinced of the insignificance of
my role, which was only meant to document my good will, with me as the bait on the
hoof; to tempt the marvelous fish into nibbling. You have given in return something
altogether magnificent. We cannot know what may grow from such seed, as the effect
upon man of any action or event is always incalculable. This is not within our power and
we do not need to worry about it.
You have earned my gratitude and the gratitude of all men for having devoted all your
strength to the search for truth and for having shown the rarest courage in professing your
convictions all your life. . . .
By the time the exchange between Einstein and Freud was published in 1933, under the title Why War?,
Hitler, who was to drive both men into exile, was already in power, and the letters never achieved the wide
circulation intended for them. Indeed, the first German edition of the pamphlet is reported to have been
limited to only 2,000 copies, as was also the original English edition.




A presente tradução inglesa da carta de Freud é uma versão corrigida publicada em 1950. A carta de Einstein é incluída aqui com autorização de seus testamenteiros e, por solicitação destes, é apresentada na versão original inglesa de Stuart Gilbert. Parte do texto alemão da carta de Freud foi publicada em Psychoanal. Bewegung, 5 (1933), 207-16. Parte da tradução inglesa de 1933 foi incluída na obra de Rickman, Civilization, War and Death: Selections from Three Works by Sigmund Freud (1939), 82-97.
Foi em 1931 que o Instituto Internacional para a Cooperação Intelectual foi instruído pelo Comitê Permanente para a Literatura e as Artes da Liga das Nações a promover trocas de correspondência entre intelectuais de renome ‘a respeito de assuntos destinados a servir aos interesses comuns à Liga das Nações e à vida intelectual’, e a publicar essas cartas periodicamente. Entre os primeiros que o Instituto abordou estava Einstein, e foi ele quem sugeriu o nome de Freud. Assim sendo, em junho de 1932, o secretário do Instituto escreveu a Freud, convidando-o a participar, ao que ele prontamente acedeu. A carta de Einstein chegou-lhe no início de agosto, e sua resposta estava concluída um mês depois. A correspondência foi publicada em Paris, pelo Instituto, em março de 1933, em alemão, francês e inglês, simultaneamente. No entanto, sua circulação foi proibida na Alemanha.
Freud não ficou propriamente entusiasmado com o trabalho e qualificou-o como discussão enfadonha e estéril (Jones, 1957, 187). Einstein e Freud absolutamente nunca foram íntimos um do outro e apenas tiveram um encontro no início de 1927, na casa do filho mais novo de Freud, em Berlim. Em carta a Ferenczi, dando conta do ocorrido, Freud escreveu: ‘Ele entende tanto de psicologia quanto eu entendo de física, de modo que tivemos uma conversa muito agradável.’(Ibid., 139). Algumas cartas muito amistosas foram trocadas entre os dois, em 1936 e 1939. (Ibid., 217-18 e 259.)
Já anteriormente Freud escrevera sobre o tema da guerra: na primeira seção (‘The Disillusionment of War’) de seu artigo ‘Reflexões para os Tempos de Guerra e Morte’ (1915b), escrito logo após o início da primeira guerra mundial. Embora algumas das idéias expressas no presente artigo apareçam no anterior, elas estão mais estreitamente relacionadas às idéias contidas em seus escritos recentes sobre temas sociológicos — O Futuro de uma Ilusão (1927c) e O Mal-Estar na Civilização (1930a). Um interesse especial surge aqui em relação a um desenvolvimento maior de pontos de vista de Freud sobre civilização como ‘processo’, que tinham sido apresentados por ele em diversos tópicos do último desses trabalhos mencionados (por exemplo, no final do Capítulo III, Edição Standard Brasileira, Vol. XXI, págs. 117-18, IMAGO Editora, 1974, e na última parte do Capítulo VIII, ibid., pág. 164 e segs.). Também retoma, uma vez mais, o tema do instinto destrutivo, sobre o qual discorrera extensamente nos Capítulos V e VI do mesmo livro, e ao qual haveria de retornar em escritos posteriores. (Cf. a Introdução do Editor Inglês a O Mal-Estar na Civilização, ibid., págs. 78-80.)


Caputh junto a Potsdam, 30 de julho de 1932
Prezado Professor Freud
A proposta da Liga das Nações e de seu Instituto Internacional para a Cooperação Intelectual, em Paris, de que eu convidasse uma pessoa, de minha própria escolha, para um franco intercâmbio de pontos de vista sobre algum problema que eu poderia selecionar, oferece-me excelente oportunidade de conferenciar com o senhor a respeito de uma questão que, da maneira como as coisas estão, parece ser o mais urgente de todos os problemas que a civilização tem de enfrentar. Este é o problema: Existe alguma forma de livrar a humanidade da ameaça de guerra? É do conhecimento geral que, com o progresso da ciência de nossos dias, esse tema adquiriu significação de assunto de vida ou morte para a civilização, tal como a conhecemos; não obstante, apesar de todo o empenho demonstrado, todas as tentativas de solucioná-lo terminaram em lamentável fracasso.
Ademais, acredito que aqueles cuja atribuição é atacar o problema de forma profissional e prática, estão apenas adquirindo crescente consciência de sua impotência para abordá-lo, e agora possuem um vivo desejo de conhecer os pontos de vistas de homens que, absorvidos na busca da ciência, podem mirar os problemas do mundo na perspectiva que a distância permite. Quanto a mim, o objetivo habitual de meu pensamento não me permite uma compreensão interna das obscuras regiões da vontade e do sentimento humano. Assim, na indagação ora proposta, posso fazer pouco mais do que procurar esclarecer a questão em referência e, preparando o terreno das soluções mais óbvias, possibilitar que o senhor proporcione a elucidação do problema mediante o auxílio do seu profundo conhecimento da vida instintiva do homem. Existem determinados obstáculos psicológicos cuja existência um leigo em ciências mentais pode obscuramente entrever, cujas inter-relações e filigranas ele, contudo, é incompetente para compreender; estou convencido de que o senhor será capaz de sugerir métodos educacionais situados mais ou menos fora dos objetivos da política, os quais eliminarão esses obstáculos.
Como pessoa isenta de preconceitos nacionalistas, pessoalmente vejo uma forma simples de abordar o aspecto superficial (isto é, administrativo) do problema: a instituição, por meio de acordo internacional, de um organismo legislativo e judiciário para arbitrar todo conflito que surja entre nações. Cada nação submeter-se-ia à obediência às ordens emanadas desse organismo legislativo, a recorrer às suas decisões em todos os litígios, a aceitar irrestritamente suas decisões e a pôr em prática todas as medidas que o tribunal considerasse necessárias para a execução de seus decretos. Já de início, todavia, defronto-me com uma dificuldade; um tribunal é uma instituição humana que, em relação ao poder de que dispõe, é inadequada para fazer cumprir seus veredictos, está muito sujeito a ver suas decisões anuladas por pressões extrajudiciais. Este é um fato com que temos de contar; a lei e o poder inevitavelmente andam de mãos dadas, e as decisões jurídicas se aproximam mais da justiça ideal exigida pela comunidade (em cujo nome e em cujos interesses esses veredictos são pronunciados), na medida em que a comunidade tem efetivamente o poder de impor o respeito ao seu ideal jurídico. Atualmente, porém, estamos longe de possuir qualquer organização supranacional competente para emitir julgamentos de autoridade incontestável e garantir absoluto acatamento à execução de seus veredictos. Assim, sou levado ao meu primeiro princípio; a busca da segurança internacional envolve a renúncia incondicional, por todas as nações, em determinada medida, à sua liberdade de ação, ou seja, à sua soberania, e é absolutamente evidente que nenhum outro caminho pode conduzir a essa segurança.
O insucesso, malgrado sua evidente sinceridade, de todos os esforços, durante a última década, no sentido de alcançar essa meta, não deixa lugar à dúvida de que estão em jogo fatores psicológicos de peso que paralisam tais esforços. Alguns desses fatores são mais fáceis de detectar. O intenso desejo de poder, que caracteriza a classe governante em cada nação, é hostil a qualquer limitação de sua soberania nacional. Essa fome de poder político está acostumada a medrar nas atividades, de um outro grupo, cujas aspirações são de caráter econômico, puramente mercenário. Refiro-me especialmente a esse grupo reduzido, porém decidido, existente em cada nação, composto de indivíduos que, indiferentes às condições e aos controles sociais, consideram a guerra, a fabricação e venda de armas simplesmente como uma oportunidade de expandir seus interesses pessoais e ampliar a sua autoridade pessoal.
O reconhecimento desse fato, no entanto, é simplesmente o primeiro passo para uma avaliação da situação atual. Logo surge uma outra questão: como é possível a essa pequena súcia dobrar a vontade da maioria, que se resigna a perder e a sofrer com uma situação de guerra, a serviço da ambição de poucos? (Ao falar em maioria, não excluo os soldados, de todas as graduações, que escolheram a guerra como profissão, na crença de que estejam servindo à defesa dos mais altos interesses de sua raça e de que o ataque seja, muitas vezes, o melhor meio de defesa.) Parece que uma resposta óbvia a essa pergunta seria que a minoria, a classe dominante atual, possui as escolas, a imprensa e, geralmente, também a Igreja, sob seu poderio. Isto possibilita organizar e dominar as emoções das massas e torná-las instrumento da mesma minoria.
Ainda assim, nem sequer essa resposta proporciona uma solução completa. Daí surge uma nova questão: como esses mecanismos conseguem tão bem despertar nos homens um entusiasmo extremado, a ponto de estes sacrificarem suas vidas? Pode haver apenas uma resposta. É porque o homem encerra dentro de si um desejo de ódio e destruição. Em tempos normais, essa paixão existe em estado latente, emerge apenas em circunstâncias anormais; é, contudo, relativamente fácil despertá-la e elevá-la à potência de psicose coletiva. Talvez aí esteja o ponto crucial de todo o complexo de fatores que estamos considerando, um enigma que só um especialista na ciência dos instintos humanos pode resolver.
Com isso, chegamos à nossa última questão. É possível controlar a evolução da mente do homem, de modo a torná-lo à prova das psicoses do ódio e da destrutividade? Aqui não me estou referindo tão-somente às chamadas massas incultas. A experiência prova que é, antes, a chamada ‘Intelligentzia’ a mais inclinada a ceder a essas desastrosas sugestões coletivas, de vez que o intelectual não tem contato direto com o lado rude da vida, mas a encontra em sua forma sintética mais fácil — na página impressa.
Para concluir: Até aqui somente falei das guerras entre nações, aquelas que se conhecem como conflitos internacionais. Estou, porém, bem consciente de que o instinto agressivo opera sob outras formas e em outras circunstâncias. (Penso nas guerras civis, por exemplo, devidas à intolerância religiosa, em tempos precedentes, hoje em dia, contudo, devidas a fatores sociais; ademais, também nas perseguições a minorias raciais.) Foi deliberada a minha insistência naquilo que é a mais típica, mais cruel e extravagante forma de conflito entre homem e homem, pois aqui temos a melhor ocasião de descobrir maneiras e meios de tornar impossíveis qualquer conflito armado.
Sei que nos escritos do senhor podemos encontrar respostas, explícitas ou implícitas, a todos os aspectos desse problema urgente e absorvente. Mas seria da maior utilidade para nós todos que o senhor apresentasse o problema da paz mundial sob o enfoque das suas mais recentes descobertas, pois uma tal apresentação bem poderia demarcar o caminho para novos e frutíferos métodos de ação.
Muito cordialmente,
A. EINSTEIN. Viena, setembro de 1932.


Prezado Professor Einstein,
Quando soube que o senhor intencionava convidar-me para um intercâmbio de pontos de vista sobre um assunto que lhe interessava e que parecia merecer o interesse de outros além do senhor, aceitei prontamente. Esperava que o senhor escolhesse um problema situado nas fronteiras daquilo que é atualmente cognoscível, um problema em relação ao qual cada um de nós, físico e psicólogo, pudesse ter o seu ângulo de abordagem especial, e no qual pudéssemos nos encontrar, sobre o mesmo terreno, embora partindo de direções diferentes. O senhor apanhou-me de surpresa, no entanto, ao perguntar o que pode ser feito para proteger a humanidade da maldição da guerra. Inicialmente me assustei com o pensamento de minha — quase escrevi ‘nossa’ — incapacidade de lidar com o que parecia ser um problema prático, um assunto para estadistas. Depois, no entanto, percebi que o senhor havia proposto a questão, não na condição de cientista da natureza e físico, mas como filantropo: o senhor estava seguindo a sugestão da Liga das Nações, assim como Fridtjof Nansen, o explorador polar, assumiu a tarefa de auxiliar as vítimas famintas e sem teto da guerra mundial. Além do mais, considerei que não me pediam para propor medidas práticas, mas sim apenas que eu delimitasse o problema da evitação da guerra tal como ele se configura aos olhos de um cientista da psicologia. Também nesse ponto, o senhor disse quase tudo o que há a dizer sobre o assunto. Embora o senhor se tenha antecipado a mim, ficarei satisfeito em seguir no seu rasto e me contentarei com confirmar tudo o que o senhor disse, ampliando-o com o melhor do meu conhecimento — ou das minhas conjecturas.
O senhor começou com a relação entre o direito e o poder. Não se pode duvidar de que seja este o ponto de partida correto de nossa investigação. Mas, permita-me substituir a palavra ‘poder’ pela palavra mais nua e crua violência’? Atualmente, direito e violência se nos afiguram como antíteses. No entanto, é fácil mostrar que uma se desenvolveu da outra e, se nos reportarmos às origens primeiras e examinarmos como essas coisas se passaram, resolve-se o problema facilmente. Perdoe-me se, nessas considerações que se seguem, eu trilhar chão familiar e comumente aceito, como se isto fosse novidade; o fio de minhas argumentações o exige.
É, pois, um princípio geral que os conflitos de interesses entre os homens são resolvidos pelo uso da violência. É isto o que se passa em todo o reino animal, do qual o homem não tem motivo por que se excluir. No caso do homem, sem dúvida ocorrem também conflitos de opinião que podem chegar a atingir a mais raras nuanças da abstração e que parecem exigir alguma outra técnica para sua solução. Esta é, contudo, uma complicação a mais. No início, numa pequena horda humana, era a superioridade da força muscular que decidia quem tinha a posse das coisas ou quem fazia prevalecer sua vontade. A força muscular logo foi suplementada e substituída pelo uso de instrumentos: o vencedor era aquele que tinha as melhores armas ou aquele que tinha a maior habilidade no seu manejo. A partir do momento em que as armas foram introduzidas, a superioridade intelectual já começou a substituir a força muscular bruta; mas o objetivo final da luta permanecia o mesmo — uma ou outra facção tinha de ser compelida a abandonar suas pretensões ou suas objeções, por causa do dano que lhe havia sido infligido e pelo desmantelamento de sua força. Conseguia-se esse objetivo de modo mais completo se a violência do vencedor eliminasse para sempre o adversário, ou seja, se o matasse. Isto tinha duas vantagens: o vencido não podia restabelecer sua oposição, e o seu destino dissuadiria outros de seguirem seu exemplo. Ademais disso, matar um inimigo satisfazia uma inclinação instintual, que mencionarei posteriormente. À intenção de matar opor-se-ia a reflexão de que o inimigo podia ser utilizado na realização de serviços úteis, se fosse deixado vivo e num estado de intimidação. Nesse caso, a violência do vencedor contentava-se com subjugar, em vez de matar, o vencido. Foi este o início da idéia de poupar a vida de um inimigo, mas a partir daí o vencedor teve de contar com a oculta sede de vingança do adversário vencido e sacrificou uma parte de sua própria segurança.
Esta foi, por conseguinte, a situação inicial dos fatos: a dominação por parte de qualquer um que tivesse poder maior — a dominação pela violência bruta ou pela violência apoiada no intelecto. Como sabemos, esse regime foi modificado no transcurso da evolução. Havia um caminho que se estendia da violência ao direito ou à lei. Que caminho era este? Penso ter sido apenas um: o caminho que levava ao reconhecimento do fato de que à força superior de um único indivíduo, podia-se contrapor a união de diversos indivíduos fracos. ‘L’union fait la force.’ A violência podia ser derrotada pela união, e o poder daqueles que se uniam representava, agora, a lei, em contraposição à violência do indivíduo só. Vemos, assim, que a lei é a força de uma comunidade. Ainda é violência, pronta a se voltar contra qualquer indivíduo que se lhe oponha; funciona pelos mesmos métodos e persegue os mesmos objetivos. A única diferença real reside no fato de que aquilo que prevalece não é mais a violência de um indivíduo, mas a violência da comunidade. A fim de que a transição da violência a esse novo direito ou justiça pudesse ser efetuada, contudo, uma condição psicológica teve de ser preenchida. A união da maioria devia ser estável e duradoura. Se apenas fosse posta em prática com o propósito de combater um indivíduo isolado e dominante, e fosse dissolvida depois da derrota deste, nada se teria realizado. A pessoa, a seguir, que se julgasse superior em força, haveria de mais uma vez tentar estabelecer o domínio através da violência, e o jogo se repetiria ad infinitum. A comunidade deve manter-se permanentemente, deve organizar-se, deve estabelecer regulamentos para antecipar-se ao risco de rebelião e deve instituir autoridades para fazer com que esses regulamentos — as leis — sejam respeitadas, e para superintender a execução dos atos legais de violência. O reconhecimento de uma entidade de interesses como estes levou ao surgimento de vínculos emocionais entre os membros de um grupo de pessoas unidas — sentimentos comuns, que são a verdadeira fonte de sua força.
Acredito que, com isso, já tenhamos todos os elementos essenciais: a violência suplantada pela transferência do poder a uma unidade maior, que se mantém unida por laços emocionais entre os seus membros. O que resta dizer não é senão uma ampliação e uma repetição desse fato.
A situação é simples enquanto a comunidade consiste em apenas poucos indivíduos igualmente fortes. As leis de uma tal associação irão determinar o grau em que, se a segurança da vida comunal deve ser garantida, cada indivíduo deve abrir mão de sua liberdade pessoal de utilizar a sua força para fins violentos. Um estado de equilíbrio dessa espécie, porém, só é concebível teoricamente. Na realidade, a situação complica-se pelo fato de que, desde os seus primórdios, a comunidade abrange elementos de força desigual — homens e mulheres, pais e filhos — e logo, como conseqüência da guerra e da conquista, também passa a incluir vencedores e vencidos, que se transformam em senhores e escravos. A justiça da comunidade então passa a exprimir graus desiguais de poder nela vigentes. As leis são feitas por e para os membros governantes e deixa pouco espaço para os direitos daqueles que se encontram em estado de sujeição. Dessa época em diante, existem na comunidade dois fatores em atividade que são fonte de inquietação relativamente a assuntos da lei, mas que tendem, ao mesmo tempo, a um maior crescimento da lei. Primeiramente, são feitas, por certos detentores do poder, tentativas, no sentido de se colocarem acima das proibições que se aplicam a todos — isto é, procuram escapar do domínio pela lei para o domínio pela violência. Em segundo lugar, os membros oprimidos do grupo fazem constantes esforços para obter mais poder e ver reconhecidas na lei algumas modificações efetuadas nesse sentido — isto é, fazem pressão para passar da justiça desigual para a justiça igual para todos. Essa segunda tendência torna-se especialmente importante se uma mudança real de poder ocorre dentro da comunidade, como pode ocorrer em conseqüência de diversos fatores históricos. Nesse caso, o direito pode gradualmente adaptar-se à nova distribuição do poder; ou, como sucede com maior freqüência, a classe dominante se recusa a admitir a mudança e a rebelião e a guerra civil se seguem, com uma suspensão temporária da lei e com novas tentativas de solução mediante a violência, terminando pelo estabelecimento de um novo sistema de leis. Ainda há uma terceira fonte da qual podem surgir modificações da lei, e que invariavelmente se exprime por meios pacíficos: consiste na transformação cultural dos membros da comunidade. Isto, porém, propriamente faz parte de uma outra correlação e deve ser considerado posteriormente.Ver em [[1]].
Vemos, pois, que a solução violenta de conflitos de interesses não é evitada sequer dentro de uma comunidade. As necessidades cotidianas e os interesses comuns, inevitáveis ali onde pessoas vivem juntas num lugar, tendem, contudo, a proporcionar a essas lutas uma conclusão rápida, e, sob tais condições, existe uma crescente probabilidade de se encontrar uma solução pacífica. Outrossim, um rápido olhar pela história da raça humana revela uma série infindável de conflitos entre uma comunidade e outra, ou diversas outras, entre unidades maiores e menores — entre cidades, províncias, raças, nações, impérios —, que quase sempre se formaram pela força das armas. Guerras dessa espécie terminam ou pelo saque ou pelo completo aniquilamento e conquista de uma das partes. É impossível estabelecer qualquer julgamento geral das guerras de conquista. Algumas, como as empreendidas pelos mongóis e pelos turcos, não trouxeram senão malefícios. Outras, pelo contrário, contribuíram para a transformação da violência em lei, ao estabelecerem unidades maiores, dentro das quais o uso da violência se tornou impossível e nas quais um novo sistema de leis solucionou os conflitos. Desse modo, as conquistas dos romanos deram aos países próximos ao Mediterrâneo a inestimável pax romana, e a ambição dos reis franceses de ampliar os seus domínios criou uma França pacificamente unida e florescente. Por paradoxal que possa parecer, deve-se admitir que a guerra poderia ser um meio nada inadequado de estabelecer o reino ansiosamente desejado de paz ‘perene’, pois está em condições de criar as grandes unidades dentro das quais um poderoso governo central torna impossíveis outras guerras. Contudo, ela falha quanto a esse propósito, pois os resultados da conquista são geralmente de curta duração: as unidades recentemente criadas esfacelam-se novamente, no mais das vezes devido a uma falta de coesão entre as partes que foram unidas pela violência. Ademais, até hoje as unificações criadas pela conquista, embora de extensão considerável, foram apenas parciais, e os conflitos entre elas ensejaram, mais do que nunca, soluções violentas. O resultado de todos esses esforços bélicos consistiu, assim, apenas em a raça humana haver trocado as numerosas e realmente infindáveis guerras menores por guerras em grande escala, que são raras, contudo muito mais destrutivas.
Se nos voltamos para os nossos próprios tempos, chegamos a mesma conclusão a que o senhor chegou por um caminho mais curto. As guerras somente serão evitadas com certeza, se a humanidade se unir para estabelecer uma autoridade central a que será conferido o direito de arbitrar todos os conflitos de interesses. Nisto estão envolvidos claramente dois requisitos distintos: criar uma instância suprema e dotá-la do necessário poder. Uma sem a outra seria inútil. A Liga das Nações é destinada a ser uma instância dessa espécie, mas a segunda condição não foi preenchida: a Liga das Nações não possui poder próprio, e só pode adquiri-lo se os membros da nova união, os diferentes estados, se dispuserem a cedê-lo. E, no momento, parecem escassas as perspectivas nesse sentido. A instituição da Liga das Nações seria totalmente ininteligível se se ignorasse o fato de que houve uma tentativa corajosa, como raramente (talvez jamais em tal escala) se fez antes. Ela é uma tentativa de fundamentar a autoridade sobre um apelo a determinadas atitudes idealistas da mente (isto é, a influência coercitiva), que de outro modo se baseia na posse da força. Já vimos [[1]] que uma comunidade se mantém unida por duas coisas: a força coercitiva da violência e os vínculos emocionais (identificações é o nome técnico) entre seus membros. Se estiver ausente um dos fatores, é possível que a comunidade se mantenha ainda pelo outro fator. As idéias a que se faz o apelo só podem, naturalmente, ter importância se exprimirem afinidades importantes entre os membros, e pode-se perguntar quanta força essas idéias podem exercer. A história nos ensina que, em certa medida, elas foram eficazes. Por exemplo, a idéia do pan-helenismo, o sentido de ser superior aos bárbaros de além-fronteiras — idéia que foi expressa com tanto vigor no conselho anfictiônico, nos oráculos e nos jogos —, foi forte a ponto de mitigar os costumes guerreiros entre os gregos, embora, é claro, não suficientemente forte para evitar dissensões bélicas entre as diferentes partes da nação grega, ou mesmo para impedir uma cidade ou confederação de cidades de se aliar com o inimigo persa, a fim de obter vantagem contra algum rival. A identidade de sentimentos entre os cristãos, embora fosse poderosa, não conseguiu, à época do Renascimento, impedir os Estados Cristãos, tanto os grandes como os pequenos, de buscar o auxílio do sultão em suas guerras de uns contra os outros. E atualmente não existe idéia alguma que, espera-se, venha a exercer uma autoridade unificadora dessa espécie. Na realidade, é por demais evidente que os ideais nacionais, pelos quais as nações se regem nos dias de hoje, atuam em sentido oposto. Algumas pessoas tendem a profetizar que não será possível pôr um fim à guerra, enquanto a forma comunista de pensar não tenha encontrado aceitação universal. Mas esse objetivo, em todo caso, está muito remoto, atualmente, e talvez só pudesse ser alcançado após as mais terríveis guerras civis. Assim sendo, presentemente, parece estar condenada ao fracasso a tentativa de substituir a força real pela força das idéias. Estaremos fazendo um cálculo errado se desprezarmos o fato de que a lei, originalmente, era força bruta e que, mesmo hoje, não pode prescindir do apoio da violência.
Passo agora, a acrescentar algumas observações aos seus comentários. O senhor expressa surpresa ante o fato de ser tão fácil inflamar nos homens o entusiasmo pela guerra, e insere a suspeita, ver em[[1]], de que neles exige em atividade alguma coisa — um instinto de ódio e de destruição — que coopera com os esforços dos mercadores da guerra. Também nisto apenas posso exprimir meu inteiro acordo. Acreditamos na existência de um instinto dessa natureza, e durante os últimos anos temo-nos ocupado realmente em estudar suas manifestações. Permita-me que me sirva dessa oportunidade para apresentar-lhe uma parte da teoria dos instintos que, depois de muitas tentativas hesitantes e muitas vacilações de opinião, foi formulada pelos que trabalham na área da psicanálise?
De acordo com nossa hipótese, os instintos humanos são de apenas dois tipos: aqueles que tendem a preservar e a unir — que denominamos ‘eróticos’, exatamente no mesmo sentido em que Platão usa a palavra ‘Eros’ em seu Symposium, ou ‘sexuais’, com uma deliberada ampliação da concepção popular de ‘sexualidade’ —; e aqueles que tendem a destruir e matar, os quais agrupamos como instinto agressivo ou destrutivo. Como o senhor vê, isto não é senão uma formulação teórica da universalmente conhecida oposição entre amor e ódio, que talvez possa ter alguma relação básica com a polaridade entre atração e repulsão, que desempenha um papel na sua área de conhecimentos. Entretanto, não devemos ser demasiado apressados em introduzir juízos éticos de bem e de mal. Nenhum desses dois instintos é menos essencial do que o outro; os fenômenos da vida surgem da ação confluente ou mutuamente contrária de ambos. Ora, é como se um instinto de um tipo dificilmente pudesse operar isolado; está sempre acompanhado — ou, como dizemos, amalgamado — por determinada quantidade do outro lado, que modifica o seu objetivo, ou, em determinados casos, possibilita a consecução desse objetivo. Assim, por exemplo, o instinto de autopreservação certamente é de natureza erótica; não obstante, deve ter à sua disposição a agressividade, para atingir seu propósito. Dessa forma, também o instinto de amor, quando dirigido a um objeto, necessita de alguma contribuição do instinto de domínio, para que obtenha a posse desse objeto. A dificuldade de isolar as duas espécies de instinto em suas manifestações reais, é, na verdade, o que até agora nos impedia de reconhecê-los.
Se o senhor quiser acompanhar-me um pouco mais, verá que as ações humanas estão sujeitas a uma outra complicação de natureza diferente. Muito raramente uma ação é obra de um impulso instintual único (que deve estar composto de Eros e destrutividade). A fim de tornar possível uma ação, há que haver, via de regra, uma combinação desses motivos compostos. Isto, há muito tempo, havia sido percebido por um especialista na sua matéria, o professor G. C. Lichtenberg, que ensinava física em Göttingen, durante o nosso classicismo, embora, talvez, ele fosse ainda mais notável como psicólogo do que como físico. Ele inventou uma ‘bússola de motivos’, pois escreveu: ‘Os motivos que nos levam a fazer algo poderiam ser dispostos à maneira da rosa-dos-ventos e receber nomes de uma forma parecida: por exemplo, “pão — pão — fama” ou “fama — fama — pão”.’ De forma que, quando os seres humanos são incitados à guerra, podem ter toda uma gama de motivos para se deixarem levar — uns nobres, outros vis, alguns francamente declarados, outros jamais mencionados. Não há por que enumerá-los todos. Entre eles está certamente o desejo da agressão e destruição: as incontáveis crueldades que encontramos na história e em nossa vida de todos os dias atestam a sua existência e a sua força. A satisfação desses impulsos destrutivos naturalmente é facilitada por sua mistura com outros motivos de natureza erótica e idealista. Quando lemos sobre as atrocidades do passado, amiúde é como se os motivos idealistas servissem apenas de escusa para os desejos destrutivos; e, às vezes — por exemplo, no caso das crueldades da Inquisição — é como se os motivos idealistas tivessem assomado a um primeiro plano na consciência, enquanto os destrutivos lhes emprestassem um reforço inconsciente. Ambos podem ser verdadeiros.
Receio que eu possa estar abusando do seu interesse, que, afinal, se volta para a prevenção da guerra e não para nossas teorias. Gostaria, não obstante, de deter-me um pouco mais em nosso instinto destrutivo, cuja popularidade não é de modo algum igual à sua importância. Como conseqüência de um pouco de especulação, pudemos supor que esse instinto está em atividade em toda criatura viva e procura levá-la ao aniquilamento, reduzir a vida à condição original de matéria inanimada. Portanto, merece, com toda seriedade, ser denominado instinto de morte, ao passo que os instintos eróticos representam o esforço de viver. O instinto de morte torna-se instinto destrutivo quando, com o auxílio de órgãos especiais, é dirigido para fora, para objetos. O organismo preserva sua própria vida, por assim dizer, destruindo uma vida alheia. Uma parte do instinto de morte, contudo, continua atuante dentro do organismo, e temos procurado atribuir numerosos fenômenos normais e patológicos a essa internalização do instinto de destruição. Foi-nos até mesmo imputada a culpa pela heresia de atribuir a origem da consciência a esse desvio da agressividade para dentro. O senhor perceberá que não é absolutamente irrelevante se esse processo vai longe demais: é positivamente insano. Por outro lado, se essas forças se voltam para a destruição no mundo externo, o organismo se aliviará e o efeito deve ser benéfico. Isto serviria de justificação biológica para todos os impulsos condenáveis e perigosos contra os quais lutamos. Deve-se admitir que eles se situam mais perto da Natureza do que a nossa resistência, para a qual também é necessário encontrar uma explicação. Talvez ao senhor possa parecer serem nossas teorias uma espécie de mitologia e, no presente caso, mitologia nada agradável. Todas as ciências, porém, não chegam, afinal, a uma espécie de mitologia como esta? Não se pode dizer o mesmo, atualmente, a respeito da sua física?
Para nosso propósito imediato, portanto, isto é tudo o que resulta daquilo que ficou dito: de nada vale tentar eliminar as inclinações agressivas dos homens. Segundo se nos conta, em determinadas regiões privilegiadas da Terra, onde a natureza provê em abundância tudo o que é necessário ao homem, existem povos cuja vida transcorre em meio à tranqüilidade, povos que não conhecem nem a coerção nem a agressão. Dificilmente posso acreditar nisso, e me agradaria saber mais a respeito de coisas tão afortunadas. Também os bolchevistas esperam ser capazes de fazer a agressividade humana desaparecer mediante a garantia de satisfação de todas as necessidades materiais e o estabelecimento da igualdade, em outros aspectos, entre todos os membros da comunidade. Isto, na minha opinião, é uma ilusão. Eles próprios, hoje em dia, estão armados da maneira mais cautelosa, e o método não menos importante que empregam para manter juntos os seus adeptos é o ódio contra qualquer pessoa além das suas fronteiras. Em todo caso, como o senhor mesmo observou, não há maneira de eliminar totalmente os impulsos agressivos do homem; pode-se tentar desviá-los num grau tal que não necessitem encontrar expressão na guerra.
Nossa teoria mitológica dos instintos facilita-nos encontrar a fórmula para métodos indiretos de combater a guerra. Se o desejo de aderir à guerra é um efeito do instinto destrutivo, a recomendação mais evidente será contrapor-lhe o seu antagonista, Eros. Tudo o que favorece o estreitamento dos vínculos emocionais entre os homens deve atuar contra a guerra. Esses vínculos podem ser de dois tipos. Em primeiro lugar, podem ser relações semelhantes àquelas relativas a um objeto amado, embora não tenham uma finalidade sexual. A psicanálise não tem motivo porque se envergonhar se nesse ponto fala de amor, pois a própria religião emprega as mesmas palavras: ‘Ama a teu próximo como a ti mesmo.’ Isto, todavia, é mais facilmente dito do que praticado. O segundo vínculo emocional é o que utiliza a identificação. Tudo o que leva os homens a compartilhar de interesses importantes produz essa comunhão de sentimento, essas identificações. E a estrutura da sociedade humana se baseia nelas, em grande escala.
Uma queixa que o senhor formulou acerca do abuso de autoridade,ver em [[1]] leva-me a uma outra sugestão para o combate indireto à propensão à guerra. Um exemplo da desigualdade inata e irremovível dos homens é sua tendência a se classificarem em dois tipos, o dos líderes e o dos seguidores. Esses últimos constituem a vasta maioria; têm necessidade de uma autoridade que tome decisões por eles e à qual, na sua maioria devotam uma submissão ilimitada. Isto sugere que se deva dar mais atenção, do que até hoje se tem dado, à educação da camada superior dos homens dotados de mentalidade independente, não passível de intimidação e desejosa de manter-se fiel à verdade, cuja preocupação seja a de dirigir as massas dependentes. É desnecessário dizer que as usurpações cometidas pelo poder executivo do Estado e a proibição estabelecida pela Igreja contra a liberdade de pensamento não são nada favoráveis à formação de uma classe desse tipo. A situação ideal, naturalmente, seria a comunidade humana que tivesse subordinado sua vida instintual ao domínio da razão. Nada mais poderia unir os homens de forma tão completa e firme, ainda que entre eles não houvesse vínculos emocionais. No entanto, com toda a probabilidade isto é uma expectativa utópica. Não há dúvida de que os outros métodos indiretos de evitar a guerra são mais exeqüíveis, embora não prometam êxito imediato. Vale lembrar aquela imagem inquietante do moinho que mói tão devagar, que as pessoas podem morrer de fome antes de ele poder fornecer sua farinha.
O resultado, como o senhor vê, não é muito frutífero quando um teórico desinteressado é chamado a opinar sobre um problema prático urgente. É melhor a pessoa, em qualquer caso especial, dedicar-se a enfrentar o perigo com todos os meios à mão. Eu gostaria, porém, de discutir mais uma questão que o senhor não menciona em sua carta, a qual me interessa em especial. Por que o senhor, eu e tantas outras pessoas nos revoltamos tão violentamente contra a guerra? Por que não a aceitamos como mais uma das muitas calamidades da vida? Afinal, parece ser coisa muito natural, parece ter uma base biológica e ser dificilmente evitável na prática. Não há motivo para se surpreender com o fato de eu levantar essa questão. Para o propósito de uma investigação como esta, poder-se-ia, talvez, permitir-se usar uma máscara de suposto alheamento. A resposta à minha pergunta será a de que reagimos à guerra dessa maneira, porque toda pessoa tem o direito à sua própria vida, porque a guerra põe um término a vidas plenas de esperanças, porque conduz os homens individualmente a situações humilhantes, porque os compele, contra a sua vontade, a matar outros homens e porque destrói objetos materiais preciosos, produzidos pelo trabalho da humanidade. Outras razões mais poderiam ser apresentadas, como a de que, na sua forma atual, a guerra já não é mais uma oportunidade de atingir os velhos ideais de heroísmo, e a de que, devido ao aperfeiçoamento dos instrumentos de destruição, uma guerra futura poderia envolver o extermínio de um dos antagonistas ou, quem sabe, de ambos. Tudo isso é verdadeiro, e tão incontestavelmente verdadeiro, que não se pode senão sentir perplexidade ante o fato de a guerra ainda não ter sido unanimemente repudiada. Sem dúvida, é possível o debate em torno de alguns desses pontos. Pode-se indagar se uma comunidade não deveria ter o direito de dispor da vida dos indivíduos; nem toda guerra é passível de condenação em igual medida; de vez que existem países e nações que estão preparados para a destruição impiedosa de outros, esses outros devem ser armados para a guerra. Mas não me deterei em nenhum desses aspectos; não constituem aquilo que o senhor deseja examinar comigo, e tenho em mente algo diverso. Penso que a principal razão por que nos rebelamos contra a guerra é que não podemos fazer outra coisa. Somos pacifistas porque somos obrigados a sê-lo, por motivos orgânicos, básicos. E sendo assim, temos dificuldade em encontrar argumentos que justifiquem nossa atitude.
Sem dúvida, isto exige alguma explicação. Creio que se trata do seguinte. Durante períodos de tempo incalculáveis, a humanidade tem passado por um processo de evolução cultural. (Sei que alguns preferem empregar o termo ‘civilização’). É a esse processo que devemos o melhor daquilo em que nos tornamos, bem como uma boa parte daquilo de que padecemos. Embora suas causas e seus começos sejam obscuros e incerto o seu resultado, algumas de suas características são de fácil percepção. Talvez esse processo esteja levando à extinção a raça humana, pois em mais de um sentido ele prejudica a função sexual; povos incultos e camadas atrasadas da população já se multiplicam mais rapidamente do que as camadas superiormente instruídas. Talvez se possa comparar o processo à domesticação de determinadas espécies animais, e ele se acompanha, indubitavelmente, de modificações físicas; mas ainda não nos familiarizamos com a idéia de que a evolução da civilização é um processo orgânico dessa ordem. As modificações psíquicas que acompanham o processo de civilização são notórias e inequívocas. Consistem num progressivo deslocamento dos fins instintuais e numa limitação imposta aos impulsos instintuais. Sensações que para os nossos ancestrais eram agradáveis, tornaram-se indiferentes ou até mesmo intoleráveis para nós; há motivos orgânicos para as modificações em nossos ideais éticos e estéticos. Dentre as características psicológicas da civilização, duas aparecem como as mais importantes: o fortalecimento do intelecto, que está começando a governar a vida instintual, e a internalização dos impulsos agressivos com todas as suas conseqüentes vantagens e perigos. Ora, a guerra se constitui na mais óbvia oposição à atitude psíquica que nos foi incutida pelo processo de civilização, e por esse motivo não podemos evitar de nos rebelar contra ela; simplesmente não podemos mais nos conformar com ela. Isto não é apenas um repúdio intelectual e emocional; nós, os pacifistas, temos uma intolerância constitucional à guerra, digamos, uma idiossincrasia exacerbada no mais alto grau. Realmente, parece que o rebaixamento dos padrões estéticos na guerra desempenha um papel dificilmente menor em nossa revolta do que as suas crueldades.
E quanto tempo teremos de esperar até que o restante da humanidade também se torne pacifista? Não há como dizê-lo. Mas pode não ser utópico esperar que esses dois fatores, a atitude cultural e o justificado medo das conseqüências de uma guerra futura, venham a resultar, dentro de um tempo previsível, em que se ponha um término à ameaça de guerra. Por quais caminhos ou por que atalhos isto se realizará, não podemos adivinhar. Mas uma coisa podemos dizer: tudo o que estimula o crescimento da civilização trabalha simultaneamente contra a guerra.
Espero que o senhor me perdoe se o que eu disse o desapontou, e com a expressão de toda estima, subscrevo-me,